O trabalho vivo humano dissimulado pela metáfora da “Inteligência Artificial”